troncos

Troncos

Os Troncos Sustentam e estruturam o trabalho que construímos, sendo os eixos que orientam nossa prática.

Movimento

MOBILIDADE, DESLOCAMENTO, MUDANÇA, AÇÃO, ATIVIDADE, ENERGIA, DINÂMICA, AGILIDADE, FLUXO, CIRCULAÇÃO, JEITO, BALANÇO, REMELEXO, ÍMPETO, ELÃ, DISPOSIÇÃO, ANDAMENTO.

 

Somos seres de movimento. Nos mexendo descobrimos o mundo, organizamos nossas percepções e ampliamos os repertórios internos. O movimento é a base da experiência, é o que traz o potencial da curiosidade e do desejo de conhecer a si mesmo, o outro e o mundo.

 

A organização do tempo e do espaço das crianças na escola deve se pautar por essa premissa, no estímulo à exploração do espaço, das potencialidades do próprio corpo e da percepção dos limites e possibilidades de correr, escalar, pular, esticar, virar de cabeça para baixo, se concentrar, retrair, relaxar…

 

Acreditamos que as crianças que têm a possibilidade de se mexerem, de percorrerem com liberdade seus caminhos, agem ao seu redor com criatividade, autonomia, curiosidade e respeito.

crianças correndo

DiVERSIdade

DIFERENÇA, MULTIPLICIDADE, PLURALIDADE, HETEROGENEIDADE, ABUNDÂNCIA, SORTIMENTO, VARIEDADE

 

A realidade é múltipla, construída a partir de diferentes compreensões sobre o mundo. No atual cenário educacional e político a palavra diversidade remete a ações relacionadas ao reconhecimento de determinadas categorias sociais em seus direitos e necessidades, suas histórias e suas perspectivas de futuro.

 

Pensar a diversidade como conceito e prática fundamental na escola é uma forma de desconstruir preconceitos, exclusões e discriminações. A escola é um microsistema que muitas vezes reproduz esses mecanismos, e é refletindo sobre eles que podemos denunciar estas práticas e construir novos cenários para uma educação mais crítica e inclusiva.

 

Um dos caminhos para essa construção é termos uma escola plural, onde cada pessoa se sinta à vontade para ser quem se é, e que situações de preconceito sejam tratadas como motes pedagógicos, e que as/os educadoras/es tragam esses acontecimentos para a reflexão, pensando e discutindo suas repercussões, construindo conjuntamente ações de resistência e enfrentamento.

 

Levamos essas questões em consideração no processo seletivo da equipe e na oferta de bolsas de estudos, buscando trazer um mínimo de pluralidade para a realidade da escola.

Diversidade

Natureza

MUNDO, MEIO AMBIENTE, ESSÊNCIA, SER, VARIEDADE, VIDA, FORÇA QUE GERA,

 

Seriguela, carambola, manga, pitanga; canário da terra, joão de barro, pica pau; galinhas d’angola, tatu, saruê; milho, cenoura, repolho… todos esses elementos compõem o cotidiano da nossa escola, de forma orgânica e viva. As crianças aprendem, pequenas, que as frutas têm um ciclo e um tempo para brotarem e amadurecerem, que os animais precisam de cuidados, que a horta precisa de cultivo e atenção. A relação que se constrói é de proximidade e afeto, construindo um conhecimento real sobre a natureza.

 

A educação NA natureza é um importante elemento de transformação social, tendo em consideração a necessidade urgente de mudança na relação com o meio ambiente, assim como a necessidade de ações coletivas voltadas para a sustentabilidade e preservação, e a consciência da finitude e bom uso dos recursos naturais.

 

É no dia a dia que essa transformação se dá, tirando do meio natural a ideia de exotismo, medo ou nojo que muitas vezes permeia essa relação, e colocando um lugar de proximidade e familiaridade.

Natureza